Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Obras, omnipotência, €uros e regabofe!

por alho_politicamente_incorreto, em 25.01.18

A mecânica que nos suga. A vida é – sabemo-lo há muito – um labirinto pejado de exigências, dificuldades e provações. Temos, enquanto povo de uma nação comprovadamente imortal, enfrentado circunstâncias que exaltaram a nossa têmpera de povo resiliente, solidário e desde sempre vocacionado para superar-se na adversidade. Contudo, num destes dias de maior disponibilidade mental - e, quiçá, espiritual - esforcei-me por observar a realidade. Dei por mim na rua de uma agitada cidade, mirando rostos empedernidos, com os olhos cravados na calçada, num andar tolhido pelo esforço de quem, sem melhor opção, se entregou àquela rotina que, mecânica mas progressivamente, vai sugando a individualidade que nos diferencia.

 

Distração, esse estado de ansiedade. Percebo o alheamento de quem leva o pensamento distribuído por infindáveis preocupações, dilemas e outras consumições. Em pano de fundo, um silêncio atroador, que inviabiliza cumprimentos, saudações ou outros atos da mais humana cordialidade, é pontualmente rasgado pelo sonido das buzinadelas arreliadas com a distração de quem, absorto, comete erros e falhas de ensandecer o santinho. De facto, as pessoas andam por cá, mas não estão cá. Uma ansiedade latente que nos desliga do presente e da vida. Um distraimento contagioso que nos empobrece.

 

«Porque, depois de nós, ainda haverá trabalho…» Foi também por isso que reli a “Oração para nos livrar da tentação da omnipotência”, de Pierre Faucher. Uma pequena prece que, animada por um recomendável pragmatismo terreno, roga o seguinte:

 

«Senhor, ensina-nos a repousar.

Ensina-nos

a deixar as coisas em suspenso,

a não querer arrumar tudo antes de dormir.

Ensina-nos

a aceitar que estamos cansados.

Ensina-nos a acabar uma jornada;

Senão

nem saberíamos morrer.

Porque, depois de nós,

Ainda haverá trabalho…

Ensina-nos

A aceitar que não somos Tu.»

 

A Escola Virtual em troca de mais de 23.000 €uros. A 27 de setembro de 2017, bem na antecâmara das eleições autárquicas, o executivo liderado por António Loureiro (AL), firmou com a Porto Editora, S.A., um contrato de prestação de serviços, que vigorará durante três anos letivos, visando a «implementação do projeto Escola Virtual, nas escolas do 1.º CEB», apregoando para o efeito a vontade de rentabilizar «os investimentos efetuados nos últimos anos, nomeadamente, em computadores, projetores e quadros interativos.» Por uma verba que ultrapassa os 23.000 €uros, acrescidos de IVA à taxa legal em vigor, a edilidade apostou na generalização das novas tecnologias de informação e de comunicação. Uma despesa que, sem prejuízo de outras apreciações, deve ser encarada como investimento na valorização do processo ensino e aprendizagem e no enriquecimento das estratégias didáticas.

Só no quarto e último ano do seu primeiro mandato é que AL, na sequência de todos os reparos e alertas aqui veiculados, entendeu adquirir alguns computadores RECONDICIONADOS para as escolas do 1.º Ciclo, mantendo um rácio de 1 computador por sala de aula, uma proporção que é pulverizada pela esmagadora dos municípios que connosco competem. Em complemento, faz-se notar que ainda há ainda um número muito considerável de salas SEM quadro interativo. 

 

Mesmo que virtual, a escola requer equipamentos. Contudo, impõe-se restabelecer a verdade dos factos. Só no quarto e último ano do seu primeiro mandato é que AL, na sequência de todos os reparos e alertas aqui veiculados, entendeu adquirir alguns computadores RECONDICIONADOS para as escolas do 1.º Ciclo, mantendo um rácio de 1 computador por sala de aula, uma proporção que é pulverizada pela esmagadora dos municípios que connosco competem. Em complemento, faz-se notar que ainda há ainda um número muito considerável de salas SEM quadro interativo. Por fim, uma questão que importa esclarecer: nos dois agrupamentos de escolas existentes no Concelho, quantos manuais legalmente adotados são da Porto Editora (PE)? Há outras editoras com plataformas digitais igualmente competentes. Por que razão se optou pela PE e não por outra?

Também na rua Gonçalo Eriz os trabalhos parecem não ter fim à vista. Depois de AL ter assegurado, em resposta a uma questão por mim colocada em Assembleia Municipal, que a ponte junto ao cemitério seria efetivamente alargada, constata-se que a obra pouco ou nada avançou. Pior, os residentes continuam sujeitos a toda a sorte de limitações. À data em que escrevo, o trânsito na cidade está caótico.

 

Quinze horas com alunos para ir à Assembleia da República. De novo, a Câmara Municipal organiza, num só dia, a deslocação à Assembleia da República e ao Oceanário para as escolas do 1.º Ciclo do Concelho. Escolhe a data. Agenda a hora de partida e estima a hora de chegada. Se tudo correr bem, serão - ao arrepio de todas as disposições legais - quinze horas (!) de contacto direto e continuado com alunos que os docentes terão de assegurar sem qualquer tipo de compensação. Não sendo os professores assalariados da edilidade, fica à consciência dos promotores e à consideração dos que consentem tamanho sacrilégio laboral e educativo a livre apreciação desta iniquidade. Ou será que tudo se paga(rá) “em espírito de equipa”?

 

Ano novo, novos concursos. Entretanto, o início do ano fica marcado pela abertura, para a Câmara Municipal, de procedimentos concursais para provimento de cargos de direção intermédia. Parece existir uma flagrante diferença de critérios para cargos com… o mesmo grau. Por que será? – indaga, em tom cândido, o inocente.

 

As obras que persistem e exasperam a população. Ponto prévio: é consensual que qualquer intervenção em espaço ou via públicos acarreta prejuízos e constrangimentos de vária ordem. Porém, e desde que a obra seja atempadamente explicada e competentemente executada, as populações tendem a ser (mais) tolerantes. Infelizmente, não é isso que se vai percecionando em Albergaria. Também na rua Gonçalo Eriz os trabalhos parecem não ter fim à vista. Depois de AL ter assegurado, em resposta a uma questão por mim colocada em Assembleia Municipal, que a ponte junto ao cemitério seria efetivamente alargada, constata-se que a obra pouco ou nada avançou. Pior, os residentes continuam sujeitos a toda a sorte de limitações. À data em que escrevo, o trânsito na cidade está caótico. A sinalização, recorrentemente alterada (ou até mesmo ambivalente), de contornos labirínticos, não tem contribuído para atenuar os severos condicionamentos à livre circulação de pessoas e bens. Nas horas de ponta, o trânsito vira arena de múltiplas atrocidades. Consequência óbvia de uma explosiva combinação de vias fechadas, com maiores concentrações de trânsito e tremendamente potenciada pela drástica redução da área disponível para o estacionamento. Não se vê a GNR. Mas porquê? Porque a autarquia não o solicitou? Porque a GNR não dispõe de efetivos suficientes? Alguém que faça o favor de (nos) explicar o regabofe de que temos sido vítimas.

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)

Natal, lixo e mentira.

por alho_politicamente_incorreto, em 11.01.18

Lugar das Cores_2017.jpg

Foto: Município de Albergaria-a-Velha

 

Lugar das Cores/2017. A tradicional festa natalícia, que teve o seu início com a chegada do Pai Natal, no passado dia 16 de dezembro, trouxe uma novidade quando a organização optou – e muito bem! – por centralizar o evento na Praça Alameda 5 de Outubro, cravada no centro cívico da cidade. A programação, ainda que suscetível de aperfeiçoamentos vários, foi diversificada, abrangente e atrativa, virtudes acentuadas pelas condições climatéricas favoráveis. Destaques merecidos para a pista de gelo, os carrosséis, o circuito go carts, bem como para o trenó e a Casa do Pai Natal. A valência ponderada para a doçaria regional, assegurada por associações do Concelho, entretanto conjugada com a área de artesanato local, as mascotes, e a iluminação festiva, emprestaram à iniciativa um registo diferenciador por comparação ao que vinha sendo hábito.

No espetáculo FRAGMENTOS, que lotou o CTA, a edilidade primou pela ausência. Empobreceu a iniciativa quando deixou lugares vagos. Nem o presidente de Câmara nem um dos seus vereadores, enquanto representantes da organização, achou necessário ou relevante associar-se a tão portentosa manifestação artística. Feio. Desnecessário. A CulturAlb merecia (muito) mais.

 

No aproveitar está o ganho. De facto, esta mudança, que beneficiou o Lugar das Cores, ocorre na sequência das propostas oportunamente aduzidas pelo PSD/Albergaria que, em vários momentos, insistiu na dinamização deste tipo de atividades naquele espaço público como forma de captar e promover o comércio local. Uma vez mais se comprova que de nada vale estigmatizar as propostas oriundas de outros quadrantes e agentes. As boas ideias podem – e devem! – ser aproveitadas quando meritórias e portadoras de mais-valias. Em alguns casos, até pode ser sinal de inteligência.

 

Lugares vazios. A sala principal do CineTeatro ALBA (CTA) acolheu ainda a Gala de Circo, organizada pela AlbergAR-TE, o espetáculo FRAGMENTOS, viabilizado pela CulturAlb, à base de dança e ginástica rítmica, e a longa-metragem de animação Coco, que contou com a animação cultural protagonizado pela aCAdemia de Dança do Clube de Albergaria. A este propósito, um reparo que julgo pertinente. No espetáculo FRAGMENTOS, que lotou o CTA, a edilidade primou pela ausência. Empobreceu a iniciativa quando deixou lugares vagos. Nem o presidente de Câmara nem um dos seus vereadores, enquanto representantes da organização, achou necessário ou relevante associar-se a tão portentosa manifestação artística. Feio. Desnecessário. A CulturAlb merecia (muito) mais.

 

Lixo, lixo, lixo… que postal de Natal! Um serviço que sai (muito) caro aos munícipes. De novo, existem razões de queixa. Ainda que a falta de civismo de alguns ajude, em parte, a explicar o cenário conspurcado que a cidade viveu durante as festas deste final de ano, o certo é que parece não ter sido ponderada uma abordagem proporcionada às exigências da quadra. À semelhança de outras datas certas no calendário, onde se pode antecipar um incremento acentuado da acumulação de lixos urbanos, estranha-se que não tenha sido desenhada uma resposta adequada ao interesse público. Lamentável.

Ademais, é assim que se honram os mandatos, fazendo da proximidade com os eleitores uma prática que vai muito além da demagogia de quem, (somente) em véspera de eleições, se lembra de "auscultar as populações".

 

Desmentidos com perna curta. No decorrer da última Assembleia Municipal, dei conta da crescente preocupação que, há largos meses, vem assolando residentes e comerciantes de algumas zonas nevrálgicas da nossa cidade (ruas Gonçalo Eriz, Egas Moniz, Eugénio Ribeiro e avenida [?] D. Teresa) em face das múltiplas obras que, em simultâneo, têm acarretado pesados constrangimentos e elevados prejuízos.

 

Fi-lo porque sou sensível às questões que afetam os meus concidadãos, até porque deles recebi numerosas solicitações para que confrontasse o Senhor Presidente de Câmara com estas matérias em busca de esclarecimento(s).

 

Ademais, é assim que se honram os mandatos, fazendo da proximidade com os eleitores uma prática que vai muito além da demagogia de quem, (somente) em véspera de eleições, se lembra de "auscultar as populações".

Para memória futura, fica o ensinamento: não há desmentido que resista à força da imagem e dos factos.

RERibeiro.jpg

2.jpg

 

Sem surpresa, o Senhor Presidente de Câmara, no seu jeito porventura ajambrado, optou por NÃO responder à esmagadora maioria das perguntas que lhe coloquei. Uma prática que, segundo me dizem, estará longe de ser raríssima.

 

Contudo, fez questão de, por duas vezes, me desmentir quanto à intervenção que (efetivamente) sofreu a rua Eugénio Ribeiro, origem de várias ocorrências que até danificaram viaturas de residentes. Foi claro e altivo quando, reiteradamente, afirmou: «a rua Eugénio Ribeiro não está a ser intervencionada».

 

Perplexo e constatando a revolta de alguns populares que se encontravam nas galerias, vi-me obrigado a repor a VERDADE. Mais do que me deslocar, de novo, à supramencionada rua, recebi, logo no dia seguinte, as fotos que publiquei numa rede social atestando  vera veritas a intervenção a que sempre aludi. Para memória futura, fica o ensinamento: não há desmentido que resista à força da imagem e dos factos.

 

José Saramago, a pretexto da VERDADE, escreveu um dia: «O tempo das verdades plurais acabou. Vivemos no tempo da mentira universal. Nunca se mentiu tanto. Vivemos na mentira, todos os dias.»

Não podendo, em consciência, contraditar a essência desta reflexão, não aceito, no entanto, vergar-me aos ditames da mentira.

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Google Tradutor


Repto


No meio da rua...


Alhadas passadas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Assinantes de feed

ASSINE NOSSO FEED

Feed

Gadget by Feed Burner modificado por bloggerenciado

Links

Educação

Outros BLOGS

Recursos